Investigação de Incêndio

15/5/2020

          A investigação ou perícia de incêndio consiste em um levantamento cuidadoso da cena danificada para estabelecer a origem do incêndio e, eventualmente, se a causa é acidental, natural ou criminosa. Estabelecer a causa é vital para garantir que eventos semelhantes não ocorram, isso, obviamente, para os casos de incêndio acidental ou natural.

 

          Esta perícia tem bastante semelhança com outras investigações forenses, entretanto, com inúmeras dificuldades e perigos adicionais, como, por exemplo, o risco de queda de materiais da edificação em avaliação ou, até mesmo, o de desabamento desta.

 

          Nesta perícia é necessário que o Expert que desenvolve a investigação tenha conhecimento da natureza e da química do fogo, do comportamento da ignição e da chama, da reação de cada tipo de material frente a mudança de temperatura, entre outros. Desta forma, serão feitas explanações sobre os principais  aspectos a serem avaliados. Informações rápidas podem ser obtidas clicando aqui.

 

 

Natureza e Química do Fogo

 

          O fogo ocorre devido à reação exotérmica da combustão (queima), produzindo calor e luz. Para que um incêndio ocorra, três componentes devem estar presentes: uma fonte de combustível, um oxidante e uma quantidade suficiente de energia na forma de calor. Juntos, eles formam o triângulo do fogo. Um quarto fator também pode ser descrito - uma reação em cadeia química auto-sustentável - para produzir o tetraedro de fogo.

 

          A ausência de qualquer uma dessas condições resultará em um incêndio que não será iniciado ou será apagado por sufocamento (remoção de oxigênio), resfriamento (remoção de calor) ou fome (remoção de combustível). Na verdade, materiais sólidos e líquidos não queimam, mas o processo de aquecimento faz com que produzam vapores que podem queimar. Este é o processo de pirólise. Através desta pirólise serão formados produtos inflamáveis ​​e voláteis de baixo peso molecular causados ​​pela decomposição de materiais pelo fogo.

 

 

 

          A cor das chamas pode variar dependendo dos materiais envolvidos na combustão. A cor de uma chama é basicamente determinada pelo comprimento de onda da luz emitida, que varia de acordo com o material. Por exemplo, chamas vermelhas, amarelas, ou alaranjadas são comumente encontradas quando o carbono está presente. Substâncias inorgânicas podem produzir chamas de diversas cores, como a queima do cobre, que gera uma chama verde.

 

          O calor produzido por um incêndio pode se espalhar três maneiras; convecção, condução e radiação. Convecção é a transferência de calor através da circulação de ar e ocorre apenas em líquidos e gases. Um exemplo de convecção é o calor de um incêndio subindo e aquecendo o teto de uma sala. Condução é a transferência de calor através de um meio por contato direto, como um incêndio que aquece um feixe de metal que transfere o calor para outro local. Radiação é a emissão de calor como radiação infravermelha sem um meio físico.

 

 

Ignição

 

          A ignição ocorrerá quando todas as condições necessárias para iniciar um incêndio ocorrerem, produzindo um incêndio ardente ou fumegante. Isso geralmente é induzido pela adição de calor a um combustível no ar, que pode ser causado por várias fontes, como reações químicas exotérmicas, fricção, radiação solar, eletricidade, entre outras.

          A temperatura necessária para ocorrer a ignição varia de acordo com o combustível. O ponto de fulgor é a temperatura mínima na qual o combustível é momentaneamente inflamado no ar por uma fonte de ignição externa. No entanto, isso não necessariamente sustenta a combustão e produz um incêndio. O ponto de chama ou incêndio é a temperatura mínima na qual vapor suficiente é produzido para permitir a combustão contínua. Isso geralmente é alguns graus mais alto que o ponto de fulgor.

 

          A temperatura de ignição espontânea, também conhecida como ponto de autoignição, é a temperatura mais baixa na qual uma substância será inflamada sem nenhuma fonte de ignição externa.

 

          O ponto de fulgor, o ponto de chama e a temperatura de ignição espontânea são as temperaturas mais baixas nas quais um material inflama quando aquecido experimentalmente, embora essas temperaturas reais possam variar e, portanto, devam ser usadas apenas como orientação.

 

 

Fumegamento

 

          Nem todos os tipos de fogo produzem chamas, a combustão lenta é uma forma de combustão sem chama que ocorre na superfície do material em substâncias celulósicas que podem formar um sólido. A presença de um incêndio fumegante é caracterizada por queima extremamente localizada e produção de fumaça espessa e lenta.

 

          A temperatura da superfície do material em combustão pode estar ligada à cor da queima desta, por exemplo, superfícies vermelhas escuras sugerem uma temperatura de 500-600 °C, enquanto uma superfície branca indica temperaturas acima de 1400°C.  A taxa de propagação depende da queima do material e da quantidade de oxigênio disponível. Apenas baixas concentrações de oxigênio são necessárias para a combustão lenta, mas se for fornecido oxigênio suficiente, os incêndios ardentes podem produzir chamas. Os cigarros são uma causa comum de incêndio sem chama quando deixados em contato com móveis estofados, por exemplo.

 

 

Combustão espontânea


          Combustão espontânea se refere à ignição repentina de um material sem uma fonte de ignição externa, como chama ou faísca. O fenômeno ocorre como resultado de reações químicas exotérmicas que ocorrem dentro do material, liberando calor. Nos casos em que o material é empilhado, o calor não pode se dissipar efetivamente e, portanto, a temperatura dentro do material aumenta. O aumento da temperatura faz com que as reações químicas se acelerem, produzindo ainda mais calor. A temperatura pode subir até o ponto de fulgor do material ser atingido, causando ignição. A combustão espontânea tende a ser caracterizada pela fonte aparente do fogo ser o centro do material, pois o calor é dissipado mais rapidamente da superfície. Sabe-se que trapos embebidos em óleo, serragem ou pilhas de feno queimam espontaneamente.

 

 

Segurança da cena de investigação


          A preocupação inicial em relação a uma cena de incidente de incêndio é a segurança. Tal cenário tem um fator de risco aumentado com possíveis perigos, incluindo materiais aquecidos, colapso estrutural, rede elétrica e de gás danificada, detritos, amianto, produtos de combustão perigosos e outras substâncias tóxicas. Uma avaliação de risco dinâmica deve ser conduzida, o local deve ser declarado seguro e todos os indivíduos que entram no local devem usar roupas de proteção adequadas, como capacete de segurança, macacão resistente ao fogo, botinas, luvas grossas e, em alguns casos, uma máscara facial . O suprimento de gás e eletricidade deve ser desligado antes do início da investigação.

 

 

 

Testemunhas

 

          Informações sobre o incêndio podem ser obtidas com testemunhas. As testemunhas podem ser capazes de fornecer detalhes das instalações antes do incêndio, além de detalhes do próprio incêndio, como atividades suspeitas ou propagação aparente do fogo e cor da fumaça. Os espectadores podem até ter tirado fotografias ou gravações de vídeo do incidente em seus celulares ou câmeras.

 

          O proprietário da edificação ou da área pode ser capaz de detalhar o conteúdo e o layout do edifício, bem como outros fatos potencialmente pertinentes. No entanto, deve sempre ser levado em consideração que testemunhas civis podem não ser confiáveis ​​e podem até estar envolvidas no incidente de incêndio. O pessoal do serviço de emergência, como policiais e bombeiros, é consideravelmente mais confiável como testemunha. Os bombeiros, em particular, podem fornecer informações úteis sobre a possível origem do incêndio e quaisquer condições incomuns. Os bombeiros também devem ser entrevistados para identificar quaisquer distúrbios causados ​​no local durante os esforços de combate ao incêndio.

 

 

Investigação da cena de incêndio


          Um incidente de incêndio deve ser tratado como uma cena de crime, em que a área deve ser rigorosamente controlada por um cordão para preservar evidências e permitir acesso apenas a pessoal autorizado, com a cena e as evidências sendo totalmente documentadas. Sempre que possível, deve ser elaborada uma planta das instalações para incluir a localização dos objetos e materiais, embora seja necessário levar em consideração que podem ter sido causados ​​distúrbios durante os esforços de combate a incêndios.

 

          Idealmente, a investigação deve começar com um exame externo da cena. Isso permite a identificação do ponto de entrada, sinais de entrada forçada, indicações quanto à origem e causa do incêndio, artefatos e quaisquer possíveis preocupações de segurança. Todas as portas e janelas devem ser examinadas para determinar se foram trancadas ou não durante o incêndio. Mais uma vez, os bombeiros podem ter entrado à força no prédio ou quebrado as janelas para fornecer ventilação, e os danos causados ​​pelo próprio incêndio podem parecer semelhantes aos sinais de entrada forçada. O exame externo também permitirá a busca de itens relevantes para o incidente, como ferramentas usadas para invadir o prédio, escadas ou recipientes de substâncias inflamáveis. Também pode ser importante observar as condições climáticas, pois as condições de temperatura e vento podem afetar um incêndio em termos de propagação e direção do fogo.

 

          O exame interior da cena é então realizado, geralmente com a produção do layout da cena, detalhando a localização dos itens e quaisquer corpos. O investigador geralmente começa com a área de menor dano, permitindo que os investigadores retornem ao local do incêndio, que normalmente será encontrado em uma região mais danificada.

 

 

Identificação da origem do incêndio
 

          Um dos aspectos mais importantes na investigação forense de incêndio é estabelecer o ponto de origem do fogo, também conhecido como sede do fogo. Existem inúmeros indicadores que podem ser usados ​​para determinar a possível origem. A região em que o incêndio começou geralmente queima por mais tempo, portanto, será uma área com os piores danos. Os incêndios tendem a queimar para cima; portanto, é provável que a sede do fogo seja encontrada em um ponto mais baixo de dano por queimadura. No entanto, isso nem sempre é confiável, pois os incêndios podem se espalhar para baixo, principalmente na presença de certas fontes de combustível.

 

          Os efeitos do fogo em certos materiais podem indicar a direção do fogo. À medida que o fogo queima para cima e para fora, padrões de fumaça / queimadura em forma de V podem ser encontrados em superfícies adjacentes ao fogo, com o final do V apontando para o ponto de ignição. No entanto, a ventilação pode afetar o caminho ou a forma dos padrões em forma de V. Os depósitos de fumaça das superfícies dos objetos podem sugerir a direção da qual o fogo se originou, e o vidro e os plásticos tendem a derreter na direção do fogo, assim a distorção de tais materiais pode atuar como indicadores direcionais.

 

          Os danos estruturais no edifício também podem ser usados ​​para localizar o local do incêndio. Em alguns casos, os edifícios podem entrar em colapso de forma que a área enfraquecida pelo fogo seja clara, sugerindo a localização em que os danos do fogo tenham ocorrido em um primeiro momento e, portanto, a origem. Da mesma forma, é provável que janelas e estruturas de teto entrem em colapso em áreas próximas ao local de origem. No entanto, este não é, de modo algum, um método preciso de localização da sede do incêndio, pois o colapso e os danos de um edifício são afetados por vários fatores, não apenas pelo próprio incêndio.

 

         Pode ser possível determinar a área na qual um incêndio começou com base na operação de alarmes de fumaça e incêndio. Pode haver alguma forma de registro do qual o alarme foi acionado primeiro, sugerindo que o incêndio provavelmente começou naquela sala. A ordem na qual os alarmes foram acionados pode ser usada ainda mais para estabelecer o caminho de propagação do incêndio. No entanto, essas informações não estão disponíveis para todas as instalações.

 

          O crescimento do fogo, rápido ou lento, e seu calor podem ser sugeridos pelos danos causados ​​pelo fogo no local e nos diversos materiais presentes. A fragmentação do gesso sugere um rápido aumento de temperatura. A carbonização intensa é indicativa de um fogo lento e fumegante que atua como fonte. Os danos causados ​​pelo fogo ao vidro também podem sugerir o calor do fogo. O rápido aumento da temperatura pode causar quebras claras no vidro, enquanto um acúmulo muito lento de calor tende a fazer com que o vidro amoleça, em vez de quebrar. Examinar até que ponto as estruturas de madeira foram carbonizadas pode fornecer informações sobre o fogo, como o tempo de exposição e à quantidade de calor radiante.

 

 

Determinação da causa do incêndio

 

          A determinação da causa do incêndio geralmente é bastante auxiliada pela localização da origem do incêndio, onde os peritos podem identificar características ou artefatos associados à ignição. O investigador procurará estabelecer se a causa do incêndio foi acidental, natural, criminosa ou indeterminada.

 

          Evidências diretamente ligadas ao fogo podem ser encontradas no ponto de origem, como fontes de combustível, dispositivos incendiários, aparelhos elétricos entre outros. Além de examinar os artefatos presentes no local, o estilo de vida das pessoas que vivem ou trabalham no prédio deve ser levado em consideração. Por exemplo, fatores como se os indivíduos eram fumantes, usavam velas ou mantinham grandes quantidades de combustível, como jornais e revistas, podem ser relevantes.

 

 

Incêndio criminoso

 

          Os casos de incêndio criminoso são de particular importância para o perito forense, e esses incidentes podem surgir por uma variedade de razões, sendo as principais: fraude de seguros, tentativa de prejudicar uma pessoa ou empresa, problemas de saúde mental ou ocultar um crime anterior.

 

          Uma indicação particularmente significativa do incêndio criminoso é a falta de evidências sugerindo um incêndio acidental ou natural, embora seja possível que a causa de um incêndio inocente tenha sido destruída e não possa ser verificada. Sinais de entrada forçada nas instalações podem sugerir incêndio criminoso, exibido através de janelas quebradas, portas forçadas, ferramentas encontradas no local ou alarmes de intrusos. Líquidos inflamáveis ​​são comumente usados ​​pelos incendiários para acelerar um incêndio, entre os mais comuns pode ser citada a gasolina.

 

          O uso de aceleradores é sugerido por padrões de queima extremamente localizados, com demarcação clara entre áreas queimadas e não queimadas, múltiplas origens de fogo ou marcas de fuga. Recipientes de líquidos inflamáveis ​​também podem ser encontrados no local. No entanto, deve-se levar em consideração que líquidos inflamáveis ​​podem estar presentes para fins inocentes; portanto, é necessário determinar se esses aceleradores foram armazenados nas instalações antes do incêndio.

 

          Os investigadores devem tentar verificar o conteúdo da edificação antes do incêndio. A remoção de itens das instalações, como estoque comercial ou objetos de valor sentimental ou monetário, é uma forte indicação de incêndio criminoso, comumente ligada a casos de fraude de seguros. O proprietário das instalações deve ser investigado e todos os possíveis problemas financeiros ou de negócios devem ser pesquisados, o que forneceria mais evidências na forma de um motivo.

 

 

 

Incêndio oriundo de eletricidade


          Quando uma corrente elétrica passa por qualquer resistência material, é produzido um pouco de calor. A fiação elétrica geralmente é produzida e instalada de forma que qualquer calor produzido seja relativamente baixo e seja dissipado. No entanto, existem algumas ocasiões em que o calor produzido pode atingir temperaturas suficientes para causar ignição. A eletricidade é uma causa comum de incêndios acidentais, geralmente através da ocorrência de um arco elétrico.

 

          Um arco elétrico ocorre quando dois condutores entram em contato após o isolamento do cabo estar danificado. Esse dano pode ocorrer por várias razões, particularmente superaquecimento, sobrecarga, dano mecânico ou defeitos de fabricação. Se o cabo ficar muito quente, talvez devido ao enrolamento dos fios, o calor não poderá se dissipar e o isolamento poderá derreter, permitindo que os condutores entre em contato uns com os outros. A sobrecarga ocorre quando mais energia é puxada através do cabo do que este é projetado para suportar, como, por exemplos, muitos plugues forem inseridos em um benjamim. Isso também pode ocorrer através da instalação de fusíveis, disjuntores ou tamanhos de cabos incorretos. Isso também fará com que o isolamento derreta. Os danos mecânicos podem ocorrer devido a danos diretos ou movimentos contínuos, enfraquecendo o cabo em um determinado ponto e permitindo o contato entre os condutores. Da mesma forma, os danos podem resultar de defeitos no processo de fabricação.

 

          Os arcos são caracterizados pelo entalhe no cabo causado pelo derretimento do fio. Deve-se levar em consideração que, embora os arcos elétricos possam levar a incêndios, os incêndios também podem causar arcos.

 

          Se a causa suspeita do incêndio for um aparelho elétrico, o equipamento deve ser cuidadosamente investigado, com um registro sendo mantido com detalhes como marca, modelo e número de série. O especialista deve primeiro concluir se o dispositivo foi ligado ou desligado, se tinha uma fonte de alimentação e se a fonte de alimentação estava ativa ou se o fusível queimara. Infelizmente, um aparelho que causou um incêndio provavelmente sofreu muitos danos e, portanto, confirmar a causa do incêndio pode ser extremamente difícil ou até impossível.

 

 

Fogos em estofamentos

 

          A propagação de um incêndio, a extensão em que ele cresce e os produtos de pirólise formados em parte dependem dos tipos de combustíveis disponíveis. Em incêndios em residências e outros edifícios, muitas vezes haverá grandes quantidades de móveis estofados, incluindo camas, colchões, sofás e poltronas, que são uma fonte potencial de combustível. Os móveis estofados geralmente são constituídos por uma moldura de madeira, espuma e um tecido de revestimento externo.

 

          Vários problemas foram encontrados com móveis estofados em incêndios, particularmente a inflamabilidade dos materiais utilizados em sua fabricação e a toxicidade dos materiais utilizados. Nas décadas de 1970 a 1980, foi utilizado um tipo de enchimento de espuma que produzia fumaça tóxica quando queimada. Nos Estados Unidos da América os Regulamentos de Móveis e Mobiliário (Segurança contra Incêndios) de 1988 aplicaram vários padrões de resistência ao fogo em móveis estofados, como sofás, camas e poltronas. De acordo com essa legislação, os móveis modernos estofados devem incluir etiquetas com informações sobre resistência ao fogo. Além disso, o mobiliário moderno é frequentemente produzido com tecidos retardantes de chamas. Por exemplo, nitrogênio e cloro inibem a taxa de queima de têxteis e, portanto, são frequentemente usados ​​para tratar tecidos. Outras substâncias são adicionadas para aumentar a quantidade de carbonização e, assim, criar uma barreira de calor para impedir que o fogo se espalhe ainda mais.

 

         Uma das vantagens ao se contratar a Ziel Engenharia é a disponibilidade de peritos especialistas que possuem as qualificações e competências profissionais necessárias para atingir as metas e objetivos estabelecidos para as investigações de incêndio, incluindo, entre outros:

 

• Determinação do ponto de origem do incêndio;

 

• Identificação da causa técnica do incêndio (estabelecimento das circunstâncias e mecanismo de iniciação e desenvolvimento do incêndio);

 

• Estabelecimento de formas de propagação do fogo;

 

• Identificação de fatores que contribuem para o início e desenvolvimento do incêndio;

 

• Estabelecimento da causa organizacional do incêndio (detecção de relações de causa e efeito entre o incêndio e violações das regras de prevenção de incêndio);

 

          A Ziel Engenharia possui profissionais qualificados e legalmente habilitados para a realização de Perícias de Incêndios, assim como para assessorar em todos os aspectos da Segurança do Trabalho. 

 

          Caso persista qualquer dúvida sobre o tema abordado entre em contato conosco: 

 

          E-mail: contato@zielengenharia.com   

          Telefone: 0800-878-3988

          Whatsapp: (51) 3108-3577 

 

 

 

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
logo-whatsapp-256.png

Porto Alegre

Avenida Assis Brasil 115, sala 311

Porto Alegre – RS 91010-004

Curitiba

Av. Pres. Getúlio Vargas, 3418 - Água Verde, Curitiba - PR, 80240-041

Caxias

Av. Itália, 482, sala 501 Caxias do Sul - RS

Pelotas

Rua General Argolo, 467, Pelotas/RS

Passo Fundo

Rua Morom, 768, 2o andar - Sala B Passo
Fundo - RS, Centro

Florianópolis

Av. Rio Branco, 404, Torre II, Sala 1203 -
Centro de Florianópolis/SC

botao-whatsapp.png